sexta-feira, 29 de outubro de 2010

                                           PROPOSTA PRAÇA CRISTO

    A praça do Cristo é uma referencia para o bairro, ela é o ponto de encontro dos moradores que buscam tranquilidade e admiram a paisagem do parque ecologico situado no projeto.
    A praça foi desenvolvida para aconchegar a população do conjunto habitacional, e foi projetado pontos de leitura com bancos, estimulando assim o incentivo a leitura.
   Pensando no lazer, a praça terá equipamentos de academia ao ar livre.



Alunos: 6° periodo Arquitetura e Urbanismo
Aline Cassia
Artur Augusto
Breno Jaurez
Magno
Viviane Medeiros

Relatório de Visita Ténica ao Bairro Babilônia.

UNIPAC BOM DESPACHO-ARQUITETURA E URBANISMO
Disciplina:Estudos Urbanos2
Professor:Marco Antonio Borges Netto
Aluno:Artur Augusto dos Santos Silva.
6º Período

  1-Considerações iniciais:
Foi realizada uma visita técnica em que o objetivo é analisar as condições geográficas socioeconômicas em que se situa o terreno objeto de um projeto de habitação de interesse social.

  2-Caracterização da Área:
A área é situada na periferia de Bom Despacho, sendo que está em fase de urbanização, algumas casas já compõe de moradores outras estão em fase de acabamento.Encontra-se além da área pouco habitada que se limita com o terreno duas fazendas  no entorno do terreno.O acesso do conjunto é compartilhado com as fazendas sendo que os fazendeiros tem por necessidade passar pelas ruas do conlunto habitacional.O terreno apresenta áreas acidentadas e declive acentuado,sendo assim as águas das chuvas têm direção para o corrego da fazenda visinha.A vegetação é composta por braquiária e árvores nativas como aroeira.

  3-Desenvolvimento da Visita:
Participei da primeira visita do terreno com a orientação do professor Júlio.Todos os integrantes encontraram no terreno, com intuito de análisar e conhecer a área a ser construida.Andamos pelas ruas e terreno observando vegetação, topografia e o entorno.Podemos assim facilitar uma reeleitura do local.

  4-Observação:
Pode-se ter em vista que o bairro ainda não  pode servir aos moradores com esgoto sanitário, ruas pavimentadas entre outros.

5-Análise:
O bairro é distante do centro da cidade não possui iluminação pública, podendo assim agravar maior risco aos moradores. Para melhoria, necessita de orgãos públicos em seu meio para segurança e organização.

Relatório de visita técnica ao Bairro Babilônia

UNIPAC BOM DESPACHO - ARQUITETURA E URBANISMO
Disciplina: Estudos Urbanos II
Professor: Marco Antonio Borges Netto
Aluna: Luciane Leite Lacerda Almeida
6° período

1.     Considerações Iniciais

A visita ao terreno foi realizada no dia 28 de agosto de 2010, às 9 horas. Sua localização é no Bairro Babilônia, em Bom Despacho, Minas Gerais. A finalidade da visita é produzir material para estudo e análise urbana, a fim de realizar um projeto de habitações populares, propostos pelas disciplinas de Projeto V e Estudos Urbanos II.

2.     Caracterizações da Área

O terreno situa-se em uma área afastada do centro comercial de Bom Despacho, em uma região ainda pouco adensada, porém, com projeção de crescimento durante os próximos anos.
A topografia do terreno é, na maior parte, composta por declives acentuados ou suaves, sendo que, apenas em algumas partes as áreas são planas e adequadas para implantação de residências e outros equipamentos públicos.
O terreno faz divisa com propriedades rurais, porém não há áreas verdes significativas. No terreno há poucas árvores nativas, sendo que, apenas uma se destaca pelo seu grande porte, situada em um local reservado para a praça. Há também uma pequena formação rochosa nesse lugar.
Especificamente na área visitada, onde será implantado o conjunto habitacional, há poucas residências. Algumas delas ainda estão em construção e se destinam aparentemente a abrigar moradores de classe social menos favorecida.
No restante do bairro há um adensamento mais significativo e algumas residências se destacam pelas dimensões e acabamento diferenciados.
O destaque do bairro é a Praça do Cristo, que ainda não está terminada, mas chama atenção por situar-se na parte mais alta e plana.
A maioria das ruas não possui pavimentação, sendo que algumas são asfaltadas, o que se restringe às proximidades da Praça do Cristo.

3.     Desenvolvimento da Visita

O acesso ao bairro foi feito por uma rua principal, em aclive, que conduzia à Praça do Cristo. Este local é amplo e plano e se destina a promover o convívio entre os moradores que necessitarão de um espaço de lazer e socialização.
Em seguida, nos dirigimos ao terreno delimitado para a disciplina de projeto e lá percorremos suas ruas sem pavimentação, a pé, a fim de analisar melhor a área de estudo. O local mais agradável foi próximo à grande árvore que proporciona uma área de sombra considerável.
As fotos ilustram esse trajeto e as características físicas e espaciais do local.

4.     Observações

Alguns aspectos negativos chamaram a atenção, entre eles, o fato do terreno ser isolado e não possuir um entorno significativo, do ponto de vista urbanístico.
Percebe-se a presença de postes de transmissão de energia elétrica, porém, ao que parece, ainda não há rede de água e esgoto finalizada, como se percebe nas fotos abaixo.
Outra questão que incomoda é a falta de arborização abundante, o que torna o terreno árido e com aspecto desértico.

  1. Análise
A área analisada pretende ser ocupada por habitações de interesse social, porém, deve-se observar, principalmente, a topografia local ao definir a localização dos lotes e divisão das quadras.
Deve-se também preservar a grande árvore, além de incentivar a plantação de outras espécies, entre as quais, árvores frutíferas, que proporcionam espaços de sombra, bem como, podem ser aproveitadas como alimento.
A população vem sendo assentada na periferia, o que é uma tendência que visa desocupar os centros urbanos. Porém, ao projetar o conjunto habitacional, é necessário que haja uma preocupação em implantar equipamentos que possam ser utilizados pelos moradores, sem que haja necessidade de um deslocamento até o centro da cidade. Sendo assim, é importante prever área para comércio, lazer, atendimento de saúde, entre outros.

  1. Fotos
Vista do terreno (parte mais alta)
Edificações
Divisa com propriedades rurais
Árvore de grande porte e formações rochosas

Implantação da rede de esgoto
Praça Senhora do Sol (Cristo)

RELATÓRIO DE VISITA TÉCNICA – IMPLANTAÇÃO DO CONJUNTO HABITACIONAL NO BAIRRO BABILÔNIA EM BOM DESPACHO - MG

RELATÓRIO DE VISITA TÉCNICA – IMPLANTAÇÃO DO CONJUNTO HABITACIONAL NO BAIRRO BABILÔNIA EM BOM DESPACHO - MG


Considerações iniciais:
            Com objetivo de analisar o terreno onde se implantará o conjunto habitacional, fizemos uma perícia, observando principalmente a topografia e seu entorno, ventos, insolação, vetores de crescimento, gabaritos das casas etc.
Toda visita foi orientada pelos professores Marco Antonio (Marcão) de Estudos Urbanos II e a professora Aline de projeto V.


Caracterização da área:
            Mediante conclusão da visita técnica conclui-se que: É um terreno periférico a cidade de Bom Despacho no centro oeste Mineiro. Possui característica da topografia bem acidentada é onde acontece uma vertente de águas pluviais, também tem dois enormes platôs bem favoráveis à implantação das casas.
Com enorme carência de equipamentos urbanos, tanto do bairro quanto do entorno, pois a maior parte são propriedades rurais. As casas são simples de construções irregulares e sem acompanhamento técnico.



Desenvolvimento da visita:
            A visita inicia-se na Praça do Cristo do bairro Babilônia e seguiu para avenida principal, analisamos a APP, e a vertente que desemboca nela, o acesso principal do novo bairro, desníveis acentuados e os platôs. 




Observações:
            A análise nos leva a alguns pontos de maior prioridade na hora de sugerir o projeto, implantação das casas e vias públicas, meso estrutura muito deficiente e vai apenas ate determinado ponto.

Análise:

            Concluímos que é de vital importância para o projeto, que se realizem visitas técnicas e entrevistas com os moradores do bairro e do entorno para sugerir a opção ideal para o projeto arquitetônico e o urbanístico.

Alison Cruz – arquitetura e urbanismo

Comentário sobre a política habitacional da cidade de Nova Serrana

Nova Serrana é uma cidade situada na região Centro Oeste de Minas Gerais, nas proximidades da BR-262 e desenvolveu-se a partir de uma ocupação espontânea, sem planejamento urbano. A princípio, tratava-se de um pequeno arraial que, com a manufatura do calçado, passou a ter esta atividade como principal motivadora do crescimento populacional e desenvolvimento econômico.

O adensamento populacional foi mais significativo a partir da década de 90 e, desde então, Nova Serrana tem sido uma das cidades que mais cresce no estado de Minas Gerais, ainda motivada pelo aumento do número de indústrias e investimento em tecnologias de produção de calçados. Porém, como esse crescimento não foi previsto, não houve planejamento urbano. Sendo assim, foi inevitável o surgimento dos loteamentos populares, visto que, a cidade atrai trabalhadores de várias regiões do estado e do País, em busca de emprego e melhores condições de vida.

Atualmente, a Prefeitura limita-se a promover a ocupação de novos bairros através do Programa “Minha Casa Minha Vida”, como se pode ver na notícia abaixo, publicada no site da Prefeitura de Nova Serrana.
Prefeito assina ordem de serviço para início das obras do condomínio Zé Bentinho
Projeto incluso no Plano de Ações e Metas e que beneficiará mais de 500 famílias tem inauguração prevista para dezembro de 2011
Nova Serrana, Quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Foi assinada na tarde de 20 de outubro, no Centro Administrativo Lelis Camilo Preto, em Nova Serrana, a ordem de serviço para a construção do residencial Zé Bentinho, projeto desenvolvido em parceria com a Caixa Econômica Federal, que beneficiará mais de 500 famílias com a casa própria através do programa Minha Casa, Minha Vida.
Na Solenidade estiveram presentes o Prefeito de Nova Serrana Paulo Cesar de Freitas, o presidente da Câmara Municipal de Nova Serrana, Euzébio Rodrigues Lago, o Vice-presidente de Gestão de Pessoas da Caixa Econômica Federal, Sr. Édilo Ricardo Valadares, o superintendente regional da Caixa na Região Centro-Oeste de Minas, Sr. Constantino Dias Neto, o diretor presidente da KTM Engenharia, Sr. Rômulo Rodrigues Rocha, o gerente da Caixa Econômica Federal em Nova Serrana, Senhor Antonio Carlos Tavares e ainda, o presidente do Sindinova, Ramom Alves Amaral, o presidente da CDL, Telismar Ferreira do Amaral, gerentes regionais da Caixa Econômica, vereadores, secretários, servidores e populares do município.
O projeto autoriza a construção de 528 apartamentos, sendo idealizadas em primeiro momento 256 residências, que estão inseridas nas premissas do Programa Minha Casa, Minha Vida. O empreendimento contará com recursos do FGTS e tem orçamento previsto no valor de R$13.568.00,00.
Além do benefício aos inscritos, a ação que promoverá a geração de empregos e diminuirá o déficit habitacional no município, promovendo uma urbanização planejada em uma cidade que cresce de forma cada vez mais promissora e ordenada.
Carlos Alberto é um dos beneficiados pelo projeto e disse que realizou um sonho, pois agora sairá do aluguel e terá muito mais conforto e segurança. “Estou muito satisfeito com essa ação da prefeitura, vou sair do aluguel. Aos poucos as coisas vão melhorando para todos e espero que a Prefeitura continue beneficiando a todos, gerando empregos e melhores condições de vida para a população”. Afirmou.
Segundo o prefeito Paulo Cesar este é o primeiro passo de um projeto ousado e de grande impacto social em Nova Serrana. “Os 256 apartamentos é o primeiro passo, estamos trabalhando firme para que toda a cidade seja atendida e tenha melhores condições de vida. Nova Serrana é a cidade que mais cresce no Estado e nós temos preparado, de forma ousada, porém realista, sua estrutura e condições para que a cidade continue crescendo”. Disse o Prefeito.

CONSIDERAÇÕES
A preocupação do prefeito em construir moradias é importante, porém, não se vê investimentos significativos em saneamento básico, infra-estrutura urbana, pavimentação das ruas, preservação de áreas verdes, etc.

Assim como acontece em outras cidades, as medidas são apenas paliativas e o que se percebe é que há grandes problemas, por exemplo, na época das chuvas, tais como, inundações, alagamentos, devido ao escoamento rápido das águas para os córregos, que não suportam o grande volume neles depositado.

Conclui-se, então, que a política habitacional está longe de ser a ideal para uma cidade de grande potencial econômico como Nova Serrana. Os investimentos poderiam ser mais específicos, no sentido de prover, não somente moradia, mas dignidade à população.

UNIPAC BOM DESPACHO - ARQUITETURA E URBANISMO
Disciplina: Estudos Urbanos II
Professor: Marco Antonio Borges Netto
Aluna: Luciane Leite Lacerda Almeida
6° período

BANCO DE DADOS – CONTENCAO

CURSO DEARQUITETURA E URBANISMO
DISCIPLINA: ESTUDOS URBANOS II
6 PERIODO 2010.

BANCO DE DADOS – CONTENCAO

Tipo: Muro de pneus ou (muro solo pneu)

Uso: Conter encostas e aterros a fim de evitar desmoronamentos e deslizamentos.

Matéria-prima: O muro para contenção é feito 100% de pneus.

Características funcionais: funcionam como muros de gravidade e apresentam como vantagens a reutilização de pneus descartados e flexibilidade.

Aplicação: Pode ser aplicado nas encostas e aterros que possui riscos de deslizamento e desmoronamento.

Interface com outros sistemas: Os muros de solo pneu é uma estrutura flexível e as deformações horizontais e verticais podem ser superiores as de uma contenção de concreto. Portanto não deve ser usado para conter aterros onde será implantado construções de fundações ou ferrovias.

Manutenção: O pneu  não é um material degradável, portanto dispensa manutenção, porém no caso de um acidente (desmoronamento, é só repor os pneus).

Observação: É importante que a face externa do muro seja revestida para evitar o acarretamento do solo de enchimento dos pneus.

Fonte de Consulta: Faculdade de Engenharia – reportagem de estruturas e fundações.
UERJ.

Responsável pela coleta de dados: Alison Cruz – alisoncruz18@hotmail.com       

Relatório Técnico

Foi proposto para os alunos do 6º período dentro da disciplina de Projeto 5 e Estudos Urbanos 2  um projeto desenvolvendo um conjunto habitacional, com o foco em projetar e resolver não apenas área residencial mas também  a infra-estrutura, área institucional, a pós ocupação, dentre outros aspectos importantes que em sua maioria são irrelevantes nos conjuntos existentes.
Deste modo, foi feita no dia 28 de agosto uma visita técnica juntamente com o professor Julio, para melhor entendimento do terreno e seu entorno e para melhor aplicação no projeto.
 O terreno está localizada no bairro Babilônia em Bom despacho, na parte posterior a principal entrada do bairro que é o Santa Lucia.
O babilônia é um bairro mais recente, em sua entrada há uma área de brejo, com a passagem o córrego da areia. O terreno é composto por vários acidentes geográficos onde sua entrada tem um grande aclive com o topo bem alto em relação a cidade, por isso a existência do Cristo na praça Senhora do Sol. Seu solo cascalheira, na qual a maioria das ruas são de cascalhos, mas existe o projeto de total asfalto no local.
                                  
O bairro vem crescendo bastante nos últimos anos, devido a sua frente ser compostas por bairros com escolas, comércio e bastante residências, porem na parte onde ficará o conjunto habitacional, ou seja, a parte posterior do bairro está rodeada por área verde e pouco urbanizada. O terreno está atrás da praça onde se encontra o Cristo com aclive na parte de trás.
                      
Na entrada do terreno se encontra um local bem erosivo, onde  retiram terra para fins não identificados, um local bem fundo, perigoso, que com certeza no futura causará transtorno para os moradores. 

As áreas contem poucas árvores, apenas vegetação baixa.
                         

A área destinada á praça tem o solo rochoso, com uma grande e bela árvore que ressalta no meio da vegetação baixa.
                             
O terreno já esta com as ruas demarcadas, tem postes, e quarteirões, porem não há casas no local, apenas na parte posterior, que não pertence ao loteamento existe uma fazenda.
                           
A área é um pouco complicada para uma construção de casas ainda mais popular, requer um estudo para melhor implantação não só das residências mas também da área institucional, ruas a serem remanejadas, devido as águas pluviais e o melhor aproveito da topografia.
Carolina de Sousa Freitas





Percepção Ambiental – UNIPAC – Campus Bom Despacho

Percepção Ambiental – UNIPAC – Campus Bom Despacho

Realizamos um percurso no campus, onde observamos como estava sendo a utilização desses espaços e o comportamento dos individuos.
Na Unipac muitos espaços determinam o uso e o uso determina o espaço.
Os fluxos de pessoas nos corredores é bem grande, tornando os corredores cheios e apertados. As escadas no andar de baixo são utilizadas como assento.
O teatro de arena é um espaço pouco utilizado, com iluminação fraca para o local, o acesso é longe do prédio I, como ele é um espaço aberto faz com que o barulho atrapalha as salas de aulas.Há também outros lugares que não são bem aproveitados.
O tráfego dos alunos entre prédio I e II é feito entre os carros que estão no estacionamento, sem faixa de pedestre, ou sinalização qualquer, em dias de chuvas é mais complicado é ao ar livre não tendo comunicação fechada entre os prédios.
A cantina as praças tem uma aglomeração maior de pessoas, é um espaço destinado a interação, lanches, estudo e descanso. Ha novas bancadas na cantina a para utilização de seus computadores.
temos o hall da faculdade, é a entrada principal, aonde acontece alguns eventos e fluxo de pessoas é grande, durante início e final de aulas.
A visita é muito importante para percebe e entende o espaço.



Jéssica Bárbara Lopes 4° Período Arquitetura e Urbanismo
               POLITICA HABITACIONAL DE BOM DESPACHO-MG
            Bom despacho, é uma cidade do interior de minas, com aproximadamente 50 ml habitantes, uma cidade um pouco defasada em características urbanas ligada a parte de plano diretor e estatuto da cidade em relação á cidades de maior porte.
Art. 17. A política de habitação objetiva assegurar a todos o direito á moradia, devendo orientar-se pelos seguintes princípios:
I-             A garantia de condições adequadas de higiene, conforto e segurança de moradia;
II-            A consideração das identidades e vínculos sociais e comunitários das populações beneficiárias;
III-           O atendimento prioritário aos segmentos populacionais mais vulneráveis.
Art.18. São diretrizes da política habitacional:
I-             Prover adequada infra-estrutura urbana;
II-            Assegurar a compatibilização entre a distribuição populacional, a disponibilidade e a intensidade de utilização da infra-estrutura urbana;
III-           Garantir a participação da população nas fases de projeto, desenvolvimento e implantação de programas habitacionais;
IV-          Priorizar ações no sentido de resolver a situação dos residentes em áreas de risco e insalubres;
V-           Assegurar, sempre que possível, a permanência das pessoas em seus locais de residência, limitando as ações de remoção aos casos de residentes em áreas de risco ou insalubres;
VI-          Desenvolver programas preventivos e de esclarecimento quanto á ocupação e permanência de grupos populacionais em áreas de risco ou insalubres;
VII-        Priorizar, quando da construção de moradias de interesse social, as áreas já devidamente integradas á rede de infra-estrutura urbana, em especial as com menos intensidade de utilização;
VIII-       Promover a regularização das áreas ocupadas de forma ilegal;
IX-          Incentivar a urbanização das áreas ocupadas por famílias de baixa renda, inclusive assegurando-se a elas acesso ao titulo de propriedade;
X-           Promover a progressiva eliminação do déficit quantitativo e qualitativo de moradias, em especial para os segmentos populacionais socialmente vulneráveis, residentes há mais tempo no Município, com a implantação de um Fundo de município de habitação;
XI-          Promover e apoiar programas de parceria e cooperação para a produção de moradias e melhoria das condições habitacionais da população;
Este artigo é encontrado no site da prefeitura de Bom Despacho, é é o que se diz respeito da política de habitação no plano diretor da cidade, porem é notado que a lei existe, mas por ser cidade pequena e  muitos não conhecer esse direto e dever, o plano não é totalmente seguido nem tem todos esses benefícios para com a população de baixa renda.

REFERÊNCIA:

 Carolina de Sousa Freitas
6º Período Arquitetura e Urbanismo

Relatorio de visita tecnica do conjunto habitacional ROMULO MODESTO

Considerações Iniciais:
Os dados aqui informados são dados da primeira visita a campo com o professor Júlio, nesse dia estudamos o terreno, entorno e seu desnível. O terreno localiza-se na cidade de Bom Despacho MG no Bairro Babilônia, ali observamos o seu entorno, tráfegos e possibilidades de construções para aquela hárea.
Caracterização da Área: No entorno do terreno já se encontra ruas calçadas e bem divididas, destacando a praça circular do cristo. No entorno do cristo já se pode notar casas de classe média Baixa e Alta.
Desenvolvimento da Visita: A visita começa ao chegarmos na praça do cristo, a praça nos convida a serguimos nossa visita no terreno, terreno que, ao chegarmos nota-se que a hárea mais alta do terreno se encontra na entrada do terreno, logo a frente começamos rápido a perceber os desníveis do terreno.Algo chamativo foi uma única árvore no terreno, que fica localizada quase que no meio do terreno e está em cima de milhares de pedras.
Observação: Como é um bairro em crescimento devemos ter um grande cuidado na elaboração de projetos, pois por ser um terreno com um grande desnível devemos evitarmos futuros problemas, principalmente com água de chuva.
Análise: A análise do terreno é importante para o melhor estudo de projeto para aquele local.



Bairro Babilônia: Área Insitucional e Praça Senhora do Sol (Cristo)


A disciplina Estudos Urbanos II propôs um estudo da área institucional e da Praça Senhora do Sol, do bairro Babilônia, em parceria com o projeto de implantação do conjunto habitacional.

A área institucional está locada na lateral direita do terreno, em relação ao acesso principal e, apesar de ser o local mais alto, apresenta grande declividade. Para esta área propusemos a implantação de uma igreja, comércio variado, área de lazer, uma Unidade Básica de Saúde e uma biblioteca.
 
Implantação Área Insitucional
 O objetivo da implantação de tais equipamentos é atrair moradores de bairros vizinhos para a região, evitando assim a segregação e o estigma que tão indesejadamente acompanham os conjuntos habitacionais.        

Na parte frontal da área institucional será implantada uma área de lazer com quadra, playground e equipamentos esportivos, bem como, uma área de comércio variada (lanchonete, mercearias, farmácia e lojas). 



Implantação Área de Lazer




Implantação Comércio



Na parte mais alta será implantada a igreja, com ampla praça, de maneira a trabalhar os desníveis do terreno. A escolha da igreja se deu por ser uma instituição que atrai um público numeroso e promove vários eventos comunitários.

Implantação Igreja







Em seguida, na região menos íngreme do terreno, será projetada uma biblioteca, com sala de informática e um espaço aberto para eventos relacionados à arte, com intuito de atrair estudantes e leitores, estimulando assim o convívio e o interesse pela cultura.


Implantação Biblioteca



A Unidade Básica de Saúde se localizará na parte posterior da praça já existente ao final do terreno.


Implantação Centro de Saúde
 


.
Para a Praça Senhora do Sol será proposta uma revitalização do Cristo devido ao seu estado de má conservação. Um espelho d’água será construído ao seu redor, com função não apenas estética, mas de proteção à estátua, pois dificultará a aproximação de vândalos.









Também será proposta uma iluminação que valorizará a visão do Cristo. A praça receberá, ainda, um tratamento paisagístico, com bancos e áreas de descanso e convivência. O tratamento diferenciado deve-se ao fato da praça estar localizada na parte central do bairro, possuir grande visibilidade e ser o acesso principal ao conjunto habitacional.








UNIPAC BOM DESPACHO - ARQUITETURA E URBANISMO
DISCIPLINA: Estudos Urbanos II
PROFESSOR: Marco Antonio Borges Netto
6º PeríodoGRUPO: 
  • Carolina Sousa
  • Giovana Patrícia
  • Luciane Lacerda
  • Roberta Melo 
  • Romulo Modesto

Relatório da Visita Técnica

1 Considerações Iniciais.
É importante ressaltar que a visita técnica a área de intervenção do projeto do Conjunto Habitacional, mostrou-se de grande valia, por nos mostrar a realidade do terreno, perante os intempéries da natureza, nos mostrando uma verdadeira dimensão do ambiente, tornando mais fácil a relação entre a teoria e a prática.

2 Caracterizações da Área
2.1 Análise Topográfica
A área é composta por um relevo muito perturbador que desenvolve um desnível muito grande em um pequeno espaço. Há uma erosão numa parte do terreno por causa da retirada de terra. A vegetação do local é mais aberta rasteira, com alguns pontos arbóreos que são preciso ser preservados e na área considerada como praça há muitas pedras no solo que devem ser relevadas. E existem dois fundos de vales preocupantes, por isso é preciso resolver um sistema de drenagem da água pluvial.
2.2 Entorno
No seu entorno, há um pequeno complexo de casas de tipologias médias e a maioria a construção ainda está em andamento. A infra-estrutura urbana é fraca, pois as ruas são ausentas de pavimentação, meio fio, falta incentivo a sociedade do local a arborizarem suas residências e a construírem no local, por isso ainda existe muitos lotes vagos devido a inexistência de prédios públicos valorizando assim a região.


3 Desenvolvimento da Visita.
No dia da visita procuramos relevar a visão que se tem do desnível do terreno, pois ele é muito importante para inserirmos os projetos no verdadeiro terreno. Sendo assim procuramos deslocar-nos em vários pontos para estudar todas as hipóteses de elaboração de pontos destaques e locais de preservação permanente.
Fomos a vários pontos para desenvolver vários anglos de estudo e detectar todos os detalhes que possam intervir na inserção do projeto. E por fim fomos avaliar o entorno, passamos pela praça do cristo e pelas ruas já existentes no entorno.     

Glaucilene da Silva Miranda
6º periodo
Arquitetura e Urbanismo
UNIPAC

RELATÓRIO DE VISITA TÉCNICA

1 Considerações Iniciais.
A visita técnica com os alunos do sexto período do curso Arquitetura e Urbanismo da Unipac ao bairro Babilônia tiveram a finalidade de um estudo de planejamento urbano, uso e ocupação do solo, conhecendo todo aspecto urbano da área, desde a topografia ate a tipologia arquitetônica das residências. Com a aula pratica obtivemos um conhecimento mais detalhado da área, tornando assim o trabalho que será desenvolvido no bairro Babilônia mais enriquecedor.
                                                                                                                                                                                                                                                                     2 Caracterizações da Área
O bairro Babilônia é composto de uma topografia acidentada, morros e vales, subidas e descidas bem acentuadas, muitas vias sem calçamento, há iluminação. Já a tipologia arquitetônica são casas térreas, e a maioria é lotes que se dividem ao meio construindo duas casas. A vegetação predominante é rasteira possuindo apenas algumas árvores de porte maior. O bairro ainda possui muitos lotes vagos, principalmente os da esquinas, que são lotes ideais para comércios o que ainda é raro por lá. Existe uma área de preservação onde passa um vale, no lugar mais baixo do bairro e quando chove causa inundação.

3 Desenvolvimento da Visita.
A primeira analise que tivemos foi do acesso principal do bairro uma subida muito ingrime, dificultando o assentamento da terra que quando chove causa varias erosões como vimos por lá. Essa rua principal nos deu acesso a uma praça com terreno menos acidentado, onde se localiza no topo do bairro ainda em construção, pois o que se encontra na praça é somente uma estátua de cristo e o seu entorno contem muitos lotes vazios para serem ocupados. Visitamos a área que será implantada o conjunto habitacional, com grandes desníveis e platôs, dificultando a construção.  

4 Observações
Observamos que o bairro se encontra em decadência com a infra-estrutura e a meso estrutura, onde maioria dos moradores é prejudicada pela chuva ou pela poeira, pois quando chovem são ilhados nas partes mais baixas, impossibilitando o acesso, com conseqüência das chuvas causa as erosões formando grande buracos. Um loteamento que deveria ter um cuidado maior devido ter uma topografia muito acidentada.

5 –Análise                                                                                                                           
 A visita técnica nos auxilia na hora de projetarmos, por se tratar de uma topografia muito acidentada com a aula pratica nos ajuda a ter conhecimento em qual tipologia arquitetônica devera ser implantada, evitando os grandes desníveis que o terreno proporciona.    
6 - Fotos: OBSERVAÇAO: Marcao nao consegui postar as fotos, sempre dava uma mensagem "erro de segurança"
Daniele Alessandra 6º Periodo Arquitetura e Urbanismo